A mão de Jesus 1.6


Cada dia da minha internação fui sendo tocada pela mão de Jesus, era como se Ele quisesse dizer e mostrar a mim que estava ao meu lado o tempo todo e que tudo aquilo tinha um propósito.

Um dia enquanto caminhava nos corredores do Hospital, pensando em tudo o que havia acontecido, imaginando o dia da minha alta, aguardando que os meus exames de sangue chegassem no padrão ideal, tentando me livrar dos meus medos, parei e fiquei ali com o olhar distante e olhos marejados.

Notei um médico caminhando até mim, pensei que iria em algum dos quartos, mas ele parou para conversar comigo. Perguntou o que havia acontecido e comentei o que tive e que aguardava que os meus exames ficassem dentro do padrão para garantir a minha segurança e assim ter uma possível alta, chorei ao comentar, pois o meu emocional estava bastante abalado e ele pegou em minhas mãos e disse que o Senhor estava comigo e sugeriu uma oração para que os meus exames chegassem aos números e que tudo ficasse bem. Rezamos ali no corredor um Pai Nosso e fiquei muito emocionada, pois não imaginava que aquilo estava acontecendo. Este médico me deu um abraço e comentou que fazia um trabalho ali com crianças, perguntou se eu tinha filhos, respondi que sim e também perguntou o número do meu quarto, respondi.

Agradeci pela oração, me despedi e fui para o meu quarto, um pouco mais tarde este médico foi até lá e me deu de presente um livro com mensagens diárias com trechos da Bíblia e uma Bíblia infantil para os meus filhos. Fiquei muito feliz com o gesto e agradeci e ele se despediu dizendo que tudo ficaria bem.

Num outro dia uma das fisioterapeutas que me atendeu e que era muito gentil conversou bastante comigo durante os meus exercícios respiratórios e enquanto caminhávamos nos corredores do hospital e ela comentou sobre um caso de uma moça que estava ali no mesmo andar se recuperando de um AVC que tinha sido provocado pelo uso de anticoncepcional, cuja marca do medicamento era diferente do que eu usava, porém tinha a mesma combinação hormonal.

Fiquei chocada quando ela disse que esta paciente tinha menos de trinta anos e que estava se preparando para se casar, evento que aconteceria dois meses depois e ela naquele momento estava sem movimentos, respondendo sim e não com o piscar dos olhos. Disse que ela era linda e que devido ao grau do AVC houve a necessidade de uma abertura na cabeça e que cada dia era um desafio para recuperar os movimentos e a própria vida. Comentou que um dos problemas é que os coágulos sanguíneos não paravam de acontecer, o que preocupava a equipe médica.

Esta fisioterapeuta olhou pra mim e disse: - Vejo muitos casos como este no hospital, por favor, fale para todas as suas amigas e conhecidos que não usem anticoncepcional! Comentou ainda que ela mesma não usava há anos por saber quais são os riscos e muitos do hospital me disseram o mesmo.

Após saber da existência desta moça no meu andar, em minha cama hospitalar, chorei e rezei para que Deus a ajudasse e a livrasse de tamanho mal. Coloquei-me no lugar dela e com o coração latente pude me imaginar ali, na cama sem movimentos, lutando para recuperar a vida, que estava prestes a entrar numa fase linda com a realização do matrimônio e início de uma nova família. Pedi muito a Deus naquele dia para que a ajudasse, para que ela pudesse ter a sua vida de volta, se casar e construir a sua família. Nao sei como esta moça está, mas espero do fundo do coração que ela esteja bem onde estiver e que Deus a proteja sempre!

Aos poucos fui percebendo os toques suaves da mão de Jesus em cada detalhe deste pequeno ou longo trecho da minha história.


Simone Vasconcelos Fator

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Anticoncepcional pode matar. A Igreja católica sempre teve e tem razão! 1

Totus Tuus 6.5

Ouvidoria ANVISA 3.0